os três pilares da sustentabilidade

A sustentabilidade faz parte da pauta de muitas marcas nos dias de hoje. Entretanto, quando se fala no tema é comum nos limitarmos apenas em seus aspectos ambientais.

Construir processos sustentáveis significa criar ações que preservem não apenas a natureza de uma forma geral, como também as condições sociais e econômicas do lugar onde uma determinada marca está inserida.

O desafio é manter esses três conceitos – Ambiental, Social e Econômico – em equilíbrio, indo além das leis e buscando novas maneiras para contribuir de forma significativa com o meio onde atua.

Abaixo, vamos falar um pouco sobre a importância de cada um dos pilares para a sustentabilidade:

 

Ambiental

Muitas vezes parece que estamos falando apenas deste pilar, mas é importante termos em mente que este é apenas um dos que envolvem o conceito. Aqui, falamos sobre a busca pela preservação do meio ambiente, dos recursos naturais e da diminuição dos estragos que podem ser causados ao planeta a longo prazo.

Social

Esse é o pilar que diz respeito a todas as pessoas envolvidas na atividade de determinada empresa: fornecedores, colaboradores, clientes e parceiros. Uma empresa precisa ter em mente a melhoria na qualidade de vida de todos que estão ao seu alcance. Além disso, deve proporcionar e estimular a criação de relações profundas e verdadeiras entre todos a fim de favorecer o seu desenvolvimento pessoal e coletivo.

Econômico

O conceito de econômico, neste caso, vai além da tradicional ligação com o dinheiro. Este pilar se refere à capacidade de a empresa disponibilizar os seus produtos e serviços de forma a contribuir positivamente para o mercado. A empresa que busca o desenvolvimento sustentável não pode crescer às custas de exploração de trabalho ou de atividades criminosas em relação ao meio ambiente, por exemplo.

 

Para que as empresas possam se desenvolver, baseadas nos três pilares, sempre com critérios voltados para a prevenção e desenvolvimento contínuo, diversas certificações foram criadas.

 

ISO 14001 – Foi criada 1993 para estabelecer requisitos de gestão com o objetivo de prevenir a poluição.

 

SA 8000 – Surgiu em 1997, baseada na Declaração Universal dos Direitos Humanos e nas Convenções da Organização Internacional do Trabalho, para garantir que empresas não usem mão de obra infantil e escrava, além de ajudar a evitar a discriminação e estabelecer boas práticas de remuneração, horário de trabalho, bem como o direito à associação, livre negociação, saúde e segurança.

 

Global G.A.P – Varejistas europeus criaram esta norma para garantir o controle de sua cadeia de fornecimento de produtos primários – café, frutas, flores, carnes e também para estabelecer critérios ambientais, sociais, de saúde e segurança.

Cada um dos pilares, além das certificações, possui um papel para mostrar aos consumidores quais empresas estão produzindo de forma saudável e estão se esforçando em favor da sustentabilidade.