ecad
De marca mal compreendida à instituição com um papel fundamental para manter a música viva: o projeto que reposicionou o Ecad no cenário da indústria cultural.

desafio

Com uma função estratégica, mas pouco percebida na cadeia produtiva da música, e um escopo de atuação muito além da cobrança de direitos autorais, em 2016, o Ecad sentiu a necessidade de passar por um profundo processo de reposicionamento de marca. Uma evolução que aproximasse o Ecad de seus públicos, refletindo sua competência essencial e seu papel como articulador dos diferentes agentes da indústria da música.

Como construir valor para a marca ECAD e torná-la relevante em um contexto em que a forma de produzir, distribuir e consumir música evolui a cada dia?

Foi esse o desafio abraçado pela Tátil em um projeto desenvolvido ao longo de 12 meses, feito a muitas mãos.

 

solução

Um mergulho no universo da música.

Para entender as competências do ECAD e os equities construídos por sua marca desde a sua criação, mergulhamos no universo dos músicos, da execução pública e dos direitos autorais. De Chiquinha Gonzaga ao streaming, ouvimos histórias raras e preciosas, visitamos as sedes de todas as associações, entrevistamos executivos, músicos e veículos e encontramos pessoas apaixonadas por música e pela gestão coletiva como a melhor alternativa para proteger quem faz música.

 

 

Um propósito inspirador:

Viver a música. Manter a música viva.

Para traduzir o propósito em expressões, chegamos a um insight conceitual a partir do qual desenvolvemos todo o processo de criação. Da nova marca ao repertório de linguagem visual e verbal.

Música é mais que emoção, diversão e arte.

Música também é investimento, trabalho duro, negócio. E, por ser o elo que impulsiona essas duas dimensões da música, conectando toda a sua cadeia criativa, o Ecad existe para manter a música viva.

A nova marca do Ecad: Razão e emoção em perfeita sintonia.

Cada letra que compõe a marca representa uma nota musical em uma partitura imaginária. O resultado é uma síntese impactante, lúdica, sensorial. Uma marca que toca.

 

 

Escala, harmonia e ritmo para criar composições gráficas que se assemelham a composições musicais.

A linguagem, inspirada na estética blue note, tira partido da relação que existe entre os princípios construtivos do design e os elementos de composição da música, criando um repertório e uma lógica visual fundamentados em conceitos como escala, harmonia, repetição, ritmo.

O grid de 12 x 12, análogo às 12 notas que compõem a escala musical temperada, é o suporte a partir do qual música e design se aproximam e se articulam, fazendo do design uma ferramenta precisa para expressar a música.

Inspiração e clareza. Um tom de voz com duas dimensões complementares.

Textos diretos condensam dados e informações trazendo foco e transparência para a comunicação. Em contrapartida, construções inventivas e leves se apropriam do caráter mais inspirador da música gerando empatia, ajudando a dar luz ao papel do Ecad e sua importância na cadeia criativa da música.

resultado

A nova marca do Ecad no mundo.

O LANÇAMENTO

Para apresentar o novo posicionamento e a nova marca, a Tátil desenvolveu uma estratégia de lançamento contemplando diferentes públicos: dos colaboradores às associações de gestão coletiva, da imprensa aos artistas, produtores e músicos.

A nova linguagem ganhou vida em um conjunto de peças gráficas, na sinalização e ambientação de espaços e em um vídeo manifesto que traduz com inspiração a história da nova marca, seu propósito e seu papel no mundo para todo o mercado da música.

O FEE DE COMUNICAÇÃO

Ao final do projeto de Branding, a Tátil assumiu a criação de materiais e peças do Ecad em um fee de comunicação com duração de 6 meses, com o objetivo de trazer consistência para as expressões e demarcar, de um jeito estratégico e criativo, um território único para a marca do Ecad no mundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem Cria

A CRIA é uma consultoria estratégica com foco em inovação que gera impacto positivo para a sociedade, ajudando as organizações na modelagem e na implementação de negócios de valor compartilhado, ativação de intraempreendedorismo e construção de cenários futuros.